segunda-feira, 29 de março de 2010

Primeira chuva da semana

Caiu um toró aqui, ficou tudo cinza, mas agora aos poucos vejo tudo mais claro ;)

Depois postarei as fotos

Art of dancing

Recomendo Art of dancing

http://www.youtube.com/watch?v=IzSR1ScJT7A
by Diego Mac Lean,
Fonte Caraminholas/facebook,

boa semana,

bjs ;)

sábado, 27 de março de 2010

Indios by Legião Urbana


http://www.youtube.com/watch?v=nM_gEzvhsM0



...Quem me dera, ao menos uma vez,

Ter de volta todo ouro que entreguei

A quem conseguiu me convencer que era prova de amizade

Se alguém levasse embora até o que eu não tinha


...Quem me dera, ao menos uma vez,

Provar que quem tem mais do que precisa ter

Quase sempre se convence que não tem o bastante

E fala demais por não ter nada a dizer


...Quem me dera, ao menos uma vez,

Que o mais simples fosse visto como o mais importante,

Mas nos deram espelhos

E vimos um mundo doente.


...Quem me dera, ao menos uma vez,

Acreditar por um instante em tudo que existe

E acreditar que o mundo é perfeito

E que todas as pessoas são felizes


...Quem me dera, ao menos uma vez,

Fazer com que o mundo saiba que seu nome

Está em tudo e mesmo assim

Ninguém lhe diz ao menos obrigado.


...Quem me dera, ao menos uma vez,

Como a mais bela tribo, dos mais belos índios,

Não ser atacado por ser inocente.

Eu quis o perigo e até sangrei sozinho


Nos deram espelhos e vimos um mundo doente
Tentei chorar e não consegui.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Every day Glory by Rush

If the future's looking dark
We're the ones who have to shine
If there's no one in control
We're the ones who draw the line
Though we live in trying times
We're the ones who have to try
Though we know that time has wings
We're the ones who have to fly...

Every Day Glory
Rush

quarta-feira, 24 de março de 2010

Almoço na Praça Benedito Calixto...

E me alimentei de outras pinceladas musicais.

Rolou um clima musical na Pça benedito Calixto, o tiozinho da Zona Azul e o Gari limpando a rua e assobiando um em cada canto da praça, adorei o sync do DUO, amo muito tudo isso ;)

Luz

Como dizem sempre tem uma luz no fim do túnel, então aconselho olhar atentamente e quem sabe a mesma nesse momento não esteja piscando ;)

Pay attention !!

segunda-feira, 22 de março de 2010

A semana

Recebi um email hoje de uma amiga, A.A, e a frase era

Espero que estejam bem e que a vida siga gentil, animada e próspera.

Aí logo dei uma adaptada de leve para Que nossa semana seja animada, próspera e gentil e inclui o vídeo abaixo:

Revista Época - W/brasil


http://www.youtube.com/watch?v=KU7pUs2opis

Oficialmente velho - Leonardo Boff

Estou numa fase extremamente complicada tudoaomesmotempoagora e quando passo por essas fases eu literalmente "travo", não consigo escrever nada, mas em compensação consigo ler muito, ouvir muito, conhecer novas figuras e consigo reciclar meu acervo musical. E um dos textos que li e marcou foi "Oficialmente velho" fez com que eu refletisse muito e eis que separei esse belísimo texto para dividir com vocês, o mesmo foi extraído do site www.cuidardeidosos.com.br e cada vez mais sinto que estou bem próximo de colocar meu projeto vôanimavó em prática.

Desculpem a ausência virtual, mas aos poucos voltarei a escrever,

beijos, boa semana à todos,

Aninha


OFICIALMENTE VELHO


http://www.cuidardeidosos.com.br/2010/01/31/oficialmente-velho/
por Márcio Borges
Belíssimo texto de Leonardo Boff. Fala sobre seu processo de envelhecimento e tece reflexões à respeito do tema. Ótima dica de leitura!

OFICIALMENTE VELHO

Leonardo Boff*


Neste mês de dezembro completo 70 anos. Pelas condições brasileiras, me torno oficialmente velho. Isso não significa que estou próximo da morte, porque esta pode ocorrer já no primeiro momento da vida. Mas é uma outra etapa da vida, a derradeira. Esta possui uma dimensão biológica, pois irrefreavelmente o capital vital se esgota, nos debilitamos, perdemos o vigor dos sentidos e nos despedimos lentamente de todas as coisas. De fato, ficamos mais esquecidos, quem sabe, impacientes e sensíveis a gestos de bondade que nos levam facilmente às lágrimas,

Mas há um outro lado, mais instigante. A velhice é a última etapa do crescimento humano. Nós nascemos inteiros. Mas nunca estamos prontos. Temos que completar nosso nascimento ao construir a existência, ao abrir caminhos, ao superar dificuldades e ao moldar o nosso destino. Estamos sempre em gênese. Começamos a nascer, vamos nascendo em prestações ao longo da vida até acabar de nascer. Então entramos no silêncio. E morremos.

A velhice é a última chance que a vida nos oferece para acabar de crescer, madurar e finalmente terminar de nascer. Neste contexto, é iluminadora a palavra de São Paulo: “na medida em que definha o homem exterior, nesta mesma medida rejuvenesce o homem interior”(2Cor 4,16). A velhice é uma exigência do homem interior. Que é o homem interior? É o nosso eu profundo, o nosso modo singular de ser e de agir, a nossa marca registrada, a nossa identidade mais radical. Esta identidade devemos encará-la face a face.

Ela é pessoalíssima e se esconde atrás de muitas máscaras que a vida nos impõe. Pois a vida é um teatro no qual desempenhamos muitos papéis. Eu, por exemplo, fui franciscano, padre, agora leigo, teólogo, filósofo, professor, conferencista, escritor, editor, redator de algumas revistas, inquirido pelas autoridades doutrinais do Vaticano, submetido ao “silêncio obsequioso” e outros papéis mais. Mas há um momento em que tudo isso é relativizado e vira pura palha. Então deixamos o palco, tiramos as máscaras e nos perguntamos: Afinal, quem sou eu? Que sonhos me movem? Que anjos que habitam? Que demônios me atormentam? Qual é o meu lugar no desígnio do Mistério? Na medida em que tentamos, com temor e tremor, responder a estas indagações vem à lume o homem interior. A resposta nunca é conclusiva; perde-se para dentro do Inefável.

Este é o desafio para a etapa da velhice. Então nos damos conta de que precisaríamos muitos anos de velhice para encontrar a palavra essencial que nos defina. Surpresos, descobrimos que não vivemos porque simplesmente não morremos, mas vivemos para pensar, meditar, rasgar novos horizontes e criar sentidos de vida. Especialmente para tentar fazer uma síntese final, integrando as sombras, realimentando os sonhos que nos sustentaram por toda uma vida, reconciliando-nos com os fracassos e buscando sabedoria. É ilusão pensar que esta vem com a velhice. Ela vem do espírito com o qual vivenciamos a velhice como a etapa final do crescimento e de nosso verdadeiro Natal.

Por fim, importa preparar o grande Encontro. A vida não é estruturada para terminar na morte, mas para se transfigurar através da morte. Morremos para viver mais e melhor, para mergulhar na eternidade e encontrar a Última Realidade, feita de amor e de misericórdia. Aí saberemos finalmente quem somos e qual é o nosso verdadeiro nome.

Nutro o mesmo sentimento que o sábio do Antigo Testamento: “contemplo os dias passados e tenho os olhos voltados para a eternidade”.

Por fim, alimento dois sonhos, sonhos de um jovem ancião: o primeiro é escrever um livro só para Deus, se possível com o próprio sangue; e o segundo, impossível, mas bem expresso por Herzer, menina de rua e poetisa:”eu só queria nascer de novo, para me ensinar a viver”. Mas como isso é irrealizável, só me resta aprender na escola de Deus. Parafraseando Camões, completo: mais vivera se não fora, para tão longo ideal, tão curta a vida.

* Teólogo, filósofo e escritor

Originariamente editado em:

http://www.adital.org.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=36408

sábado, 20 de março de 2010

Um presente...

Encontrei uma música que define muito bem em poucas palavras o que a música significa prá mim.

Composição de Lucina e Lenita Lopes, encontrei um vídeo no youtube da Lucina interpretando "A música em mim":

http://www.youtube.com/watch?v=9xXcB-oosUI

...A música em mim
Parece um presente

segunda-feira, 1 de março de 2010

01/03/2010 - What a day !

Hoje foi um dia repleto de surpresas boas e não tão boas assim. Mas a noite no caminho pós terapia, depois de uma sessão desabafo, voltei prá casa conversando com uma amiga no viva voz do celulento e ao entrar na Marginal vi uma lua cheia animal que mexeu comigo e que junto com o papo massageou o meu coraçãozinho aflito, putz estava triste e mega preocupada, as coisas não andam tão bem e estou cansada desse peso todo, mesmo sabendo que é somente uma fase, é foda ! Mas a minha sorte é que percebo, sinto e sou ligada à natureza, ao sol, à lua, etc e pude transformar o meu estado do espírito, graças à essa noite gostosa, repleta de estrelas, nuvens, essa puta lua iluminada e esse friozinho perfeito prá uma boa noite de sono, que bom que me alimento de tudo isso !

P.S.: Obrigada J.A e boa noite, bjs